26 Março, 2017      10:12 GMT +1 Luanda

Albufeira da barragem de Laúca em Angola começa a encher a 11 de Março

Enviar por E-mail Versão para impressão

A albufeira do Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca, em construção no rio Cuanza, província de Malanje, começa a receber água sábado, 11 de Março, com o fecho do túnel número 2 de desvio do rio, informou a agência noticiosa Angop.

O processo terá a duração de 120 dias, findo os quais a albufeira terá acumulado 2680 milhões de metros cúbicos, o que permitirá dar início à produção de energia eléctrica.

Com uma altura de 132 metros e abrangendo uma área de 24 mil hectares, incluindo a albufeira, a barragem de Laúca, com uma capacidade projectada para 2070 megawatts, constitui actualmente o maior projecto de engenharia civil e mecânica de Angola.

O projecto, com um custo de 4,5 mil milhões de dólares, envolve a construção, produção, fornecimento e colocação em serviço do sistema de transporte de energia, sendo a maior barragem em construção no rio Cuanza, depois de Cambambe com 960 megawatts e Capanda com 520 megawatts.

A entrada em funcionamento da central principal de Laúca, com seis grupos geradores de 334 megawatts cada, a partir de Julho, e da central ecológica com 67 megawatts, em 2018, permitirá beneficiar mais de oito milhões de pessoas e os pólos industriais em construção nas regiões norte, centro e sul do país.

O projecto de construção de barragens no leito médio do rio Cuanza surgiu a partir de um inventário realizado na década de 1950, solicitado pela então empresa pública Sociedade Nacional de Estudo e Financiamento de Empreendimentos Ultramarinos (Sonefe) à empresa Hydrotechnic Corporation (USA), retomados em 2008, com a realização de estudos de viabilidade solicitado pelo governo angolano.

No total, sete barragens poderão ser construídas no médio Cuanza, região que compreende os municípios de Cacuso, em Malanje e de Cambambe, na província do Cuanza Norte e, quando em funcionamento, produzir 7000 megawatts de energia eléctrica. (Macauhub)

 


beyond_words
beyond_words